Planeta dos Filhotes

Cachorro na casinha

Primeiros Socorros

Ver um cachorro machucado ou em agonia pode gerar uma sensação de impotência. Aprendendo as dicas deste artigo, você está armado com dúzias de técnicas de primeiros socorros que podem acabar salvando a vida do seu cão.

COMO TRATAR UM CÃO VOMITANDO

Vômito é um dos problemas mais comuns encontrados na medicina veterinária. É a forma natural que os animais usam para livrar seu estômago de uma substância irritante, como comida estragada.
Nem todos os vômitos ocorrem por uma simples irritação. Causas mais graves podem ser uma infecção viral ou doenças do fígado, pâncreas ou rins. É importante buscar ajuda profissional se houver sinais de sangramento ou se o cachorro estiver deprimido e continuar vomitando depois de várias tentativas de controle. Abaixo estão algumas dicas de tratamento de um cão que está vomitando. Remova toda a comida de 12 a 24 hs.
Se o vômito contiver sangue ou for freqüente, contate seu veterinário imediatamente. Após 12 a 24 horas sem vomitar, ofereça água gradualmente em pequenas quantidades de cada vez. Se o cachorro não vomitar, ofereça uma dieta leve de arroz com peito de frango (mistura 1/2 a 1/2). Se continuar sem vomitar, volte a dieta regular em dois dias, misturando quantidades maiores da comida normal com a dieta leve.
Fale com seu veterinário para saber a dose correta para o peso do seu cachorro.

COMO AJUDAR UMA CADELA A DAR CRIA

O período normal de gestação de uma cadela é 61 a 63 dias. Porém, um parto, um ou dois dias antes ou depois. É comum e não representa motivo para alarme se o estado geral da fêmea estiver bom.
Na preparação para parir, a cadela fará um ninho com jornais picados e pedaços de pano se estes estiverem disponíveis. Senão, ela pode cavar no tapete com as patas dianteiras, como se estivesse cavando um buraco. Fazer o ninho é um sinal importante de que o parto deve acontecer dentro de um ou dois dias. Para deixar a cadela confortável providencie uma caixa de parto com muitas folhas de jornal e panos.
Quando ela começar a fazer o ninho, você também vai notar um aumento das mamas com produção de leite. Outro método bastante preciso para determinar quando a cadela vai dar cria é medir a temperatura retal todos os dias. Aproximadamente 24 h antes do parto a temperatura cai em torno de 1ºC.

Quando estiver perto do trabalho de parto, observa-se a eliminação de um líquido mucoso pela vulva, seguido da eliminação de um líquido esverdeado. Em hipótese alguma este líquido pode ser marrom ou ter cheiro ruim. Se isso acontecer chame o veterinário imediatamente.

A chegada do parto vai deixar a cadela agitada, mas no segundo estágio do trabalho de parto ela vai deitar e começar a ter contrações. Assim que esse segundo estágio começar, o parto deve iniciar dentro de 3 h. Se nenhum filhote nascer nesse período, chame o veterinário.

Um filhote pode nascer de três maneiras diferentes. A apresentação mais comum é pela cabeça e patas dianteiras. A segunda mais comum é pela cauda e patas traseiras, mas não confunda com a apresentação pela nádega. Em uma apresentação pela nádega as pernas traseiras estão dobradas embaixo do corpo do filhote. Em uma cadela pequena este tipo de apresentação pode causar problemas e deve ser observada com cuidado.

Durante o parto podem surgir algumas complicações que você pode dar conta facilmente usando as dicas abaixo.

Se o filhote estiver preso no canal do parto com metade do corpo para fora

Ajudando no parto

Segure o filhote com uma toalha limpa.

Faça uma tração firme, puxando o filhote com cuidado em um ângulo levemente descendente. Continue puxando com cuidado até o filhote sair.

Se você não conseguir remover o filhote chame o veterinário imediatamente.

Se a cadela não limpar os filhotes após o parto, coloque o filhote coberto com a membrana fetal em uma toalha limpa.

Numa toalha limpa

Libere o rosto do filhote imediatamente retirando a membrana.

Continue a puxar a membrana do seu corpo. A membrana vai ficar presa ao redor do cordão umbilical. NÃO puxe o cordão umbilical.

Retire qualquer líquido da boca e das narinas. Massageie o corpo do filhote vigorosamente com uma toalha, para estimular a respiração.

Se houver muito muco no nariz e na boca, limpe o que conseguir com um dedo.

Se o filhote ainda não estiver respirando bem, coloque o filhote em uma toalha na palma da sua mão.

Primeiro Socorros

Segure sua cabeça fechando o polegar em direção aos outros dedos.

Usando a outra mão para segurar o filhote, levante suas mãos ao nível da sua cabeça e balance com firmeza em direção ao chão. Repita várias vezes.

Massageie o filhote vigorosamente com a tolha novamente.

Pare quando o filhote estiver se mexendo e chorando.

Amarre um pedaço de fio ao redor do cordão umbilical aproximadamente 2 cm acima da barriga do filhote, deixando o pedaço amarrado preso ao filhote e corte o resto do cordão umbilical e da membrana fetal.

Coloque o filhote com a mãe, ela vai cuidar do resto. Se ela não cuidar dos filhotes ou se acontecer algum outro problema, fale com o veterinário o mais rápido possível.

COMO TRATAR UM CÃO INCONSCIENTE

Sua primeira prioridade ao lidar com um cachorro inconsciente é fazer o coração bater e o cachorro respirar. Também observe sinais de choque, que incluem gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco e respiração rápida. Use as dicas a seguir para prestar socorro a um cachorro que perdeu a consciência.

Se você acha que o cão está engasgado, desobstrua as vias aéreas. Abra a boca do cachorro cuidadosamente segurando a mandíbula superior com uma mão sobre o focinho.

Pressione os lábios do cão sobre os dentes superiores apertando com seu polegar em um lado e os outros dedos no outro, de maneira que os lábios do cachorro fiquem entre os dentes dele e os seus dedos. Aperte com firmeza para forçar a boca a ficar aberta.

Se você consegue ver o objeto, tente removê-lo com seus dedos. Se não conseguir o objeto, e o cachorro for pequeno o suficiente, segure-o pelas pernas traseiras, vire-o de cabeça para baixo e chacoalhe-o vigorosamente. Bater nas costas também pode ajudar a mover o objeto.

Se você não consegue remover o objeto e o cachorro é grande demais para ser erguido, coloque-o deitado de lado no chão. Coloque a sua mão atrás da caixa torácica e aperte para baixo e um pouco para frente, com firmeza. Solte. Repita rapidamente várias vezes até o objeto ser expelido.

Se você não consegue remover o objeto, leve o cão imediatamente ao veterinário. Se o cachorro estiver respirando, veja se está em choque.

Examine as gengivas levantando com cuidado o lábio superior. Gengivas pálidas ou brancas indicam que o cão está em choque e pode ter ferimentos ou hemorragia interna grave. Se as gengivas estiverem rosadas, provavelmente, o cão não está em choque.

Cão inconsciente Ilustração

Determine o batimento cardíaco. Coloque seus dedos com firmeza sobre o cão aproximadamente 5 cm atrás do cotovelo no centro do peito. Conte o número de batidas em 10 s e multiplique por 6. Se o cachorro estiver em choque seu batimento deve ser de mais de 150 batidas por minuto.

Coloque o cachorro de lado com a cabeça estendida. Puxe a língua do cachorro com cuidado para manter a entrada de ar livre.

Eleve um pouco a parte traseira do cachorro, usando um travesseiro ou toalhas dobradas. Para conservar a temperatura corporal, enrole o cachorro em um cobertor ou casaco. Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

Sinta a pulsação colocando seus dedos 5 cm atrás do cotovelo do cachorro no meio do peito.

Pulsação

Se o coração estiver batendo, faça respiração artificial.

Deite o cachorro de lado. Estique a cabeça e o pescoço do cão. Mantenha a boca e lábios fechados e assopre com força pelas narinas. Faça uma respiração a cada 3 a 5 s. Respire fundo e repita até sentir resistência ou ver o peito subir.

Após 10 s pare. Observe o peito para ver se está se movendo, o que indica que o cachorro está respirando sozinho.

Se o cachorro não estiver respirando, continue a respiração artificial.
Se o coração não estiver batendo faça uma ressuscitação cardiopulmonar.

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA CÃES COM ATÉ 20 KG

Ressuscitação

Deite o cachorro de costas. Ajoelhe-se perto da cabeça do cão.

Feche suas mãos sobre o peito do cachorro com as palmas sobre cada lado do peito.

Comprima as palmas sobre o peito com firmeza contando até dois e solte contando um. Pressione moderadamente. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min. Como regra geral, faça cinco compressões cardíacas para cada respiração.

Pare após um minuto. Observe se há movimento do peito e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 5 cm do cotovelo no meio do peito.

Se o coração não estiver batendo continue a ressuscitação cardiopulmonar.

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA CÃES COM MAIS DE 20 KG

Ilustração cachorro deitado

Deite o cachorro de lado.
Coloque a palma da sua mão no meio do peito do cachorro.

Comprima as palmas sobre o peito com firmeza contando até dois e solte contando um. Pressione moderadamente. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min.

Pare após um minuto. Observe o peito para ver se o cachorro está respirando e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos 5 cm atrás do cotovelo, no meio do peito.

Se o coração não estiver batendo, continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário. A ressuscitação e a respiração devem continuar no caminho ou até o cachorro começar a respirar e o coração começar a bater sem assistência.

COMO AJUDAR UM CÃO COM FERIMENTO PERFURANTE

Um ferimento perfurante em um cão pode ser difícil de ver por causa do pêlo. Como o local mais comum para esse tipo de ferimento é a almofada da pata, o primeiro sinal pode ser mancar. Uma mancha avermelhada na pelagem pode ser sinal de um ferimento perfurante em outras partes do corpo.
Se você suspeita que seu cachorro tem um ferimento perfurante, observe sinais de choque, que incluem gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco e respiração rápidas. As dicas a seguir vão ajudar no tratamento de um cão ferido.

Se o objeto estiver exposto, contenha o cão se necessário, cuidando para não tocar o objeto.

Ilustração cachorro ferido

Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador.

Passe uma guia ao redor do pescoço do cachorro e então ao redor de um objeto fixo. Puxe o cachorro para perto deste objeto e amarre a guia de maneira que ele não possa mover a cabeça. Faça uma focinheira no cachorro para sua proteção se necessário.

NÃO tente remover o objeto.

Coloque panos limpos ou compressas estéreis ao redor do ponto de entrada. Faça uma bandagem firme ao redor do ponto de entrada. Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

Ilustração cachorro enfaixado

Com outros ferimentos perfurantes, contenha o cão, se necessário.
Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador.
Se o ferimento é no peito e você ouve um som parecido com sucção, faça um curativo para fechar o ferimento e leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

Se o ferimento não for no tórax, corte o pelo ao redor do ferimento.

Examine o ferimento cuidadosamente a procura de corpos estranhos. Se houver algum, remova o objeto com uma pinça ou alicate de ponta fina.
Lave bem o ferimento com água limpa. Evite usar antisépticos, pois podem causar dor.
Deixe a ferida drenar a não ser que haja sangramento excessivo.

Se estiver sangrando muito, cubra o ferimento com uma compressa de gaze estéril ou uma toalha limpa.

Machucado na Pata

Coloque sua mão sobre o curativo e pressione com firmeza.
Mantenha a pressão sobre a compressa para parar o sangramento.
Se o sangue encharcar o curativo, NÃO o remova.
Coloque outro curativo por cima e continue pressionando até parar de sangrar.
Se o sangramento não parar em até 5 min, continue pressionando o ferimento e leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

COMO TRATAR UM CÃO QUE INALOU FUMAÇA OU MONÓXIDO DE CARBONO

Os incêndios podem ser um grande perigo para os cachorros. Não coloque sua vida em risco para salvar seu cachorro, deixe esta tarefa para os bombeiros ou alguém treinado para fazer um resgate.
Os sinais de inalação de fumaça ou monóxido de carbono incluem depressão, falta de coordenação, respiração ofegante, gengivas vermelho-carne e possíveis convulsões. Também verifique se o animal não está em choque, com as gengivas pálidas ou brancas, pulso acelerado e respiração rápida.

Se você suspeita que seu cão está intoxicado com fumaça ou monóxido de carbono, use as dicas a seguir para tratá-lo adequadamente.

Umedecendo os olhos

Se o cão está consciente, retire o cão do local e coloque no ar fresco imediatamente.

Lave completamente os olhos do cachorro com soro fisiológico ou água limpa.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

Ilustração Cão Inconsciente

Se o cachorro não estiver respirando, sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 1/2 cm do cotovelo no meio do peito.

Se o coração estiver batendo, faça respiração artificial. Deite o cachorro de lado.
Estique a cabeça e o pescoço do cão. Mantenha a boca e lábios fechados e assopre com força pelas narinas.

Faça uma respiração a cada 3 a 5 s. Respire fundo e repita até sentir resistência ou ver o peito subir.
Após um minuto, pare. Observe o peito para ver se está se movendo, o que indica que o cachorro está respirando sozinho.
Se o cachorro não estiver respirando, continue a respiração artificial.
Se o coração não estiver batendo, faça respiração artificial.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com até 20 kg

Ressuscitação Cardiopulmonar

Deite o cachorro de costas. Ajoelhe-se perto da cabeça do cão.
Feche suas mãos sobre o peito do cachorro com as palmas sobre cada lado do peito.

Comprima as palmas sobre o peito com firmeza contando até dois e solte contando até um. Pressione moderadamente. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min. Como regra geral, faça cinco compressões cardíacas para cada respiração.

Pare após um minuto. Observe se há movimento do peito e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 5 cm do cotovelo no meio do peito. Se o coração não estiver batendo continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com mais de 20 kg

Ressuscitação Cardiopulmonar

Deite o cachorro de lado.
Coloque a palma da sua mão no meio do peito do cachorro.

Comprima contando até dois e solte contando um. É preciso pressionar com firmeza. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro fechados e assopre com força nas narinas. Assopre por 3s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/ min.

Pare após um minuto. Observe o peito para ver se o cachorro está respirando e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos 5 cm atrás do cotovelo, no meio do peito.

Se o coração não estiver batendo, continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário. A ressuscitação e a respiração devem continuar no caminho ou até o cachorro começar a respirar e o coração começar a bater sem assistência.

TRATAR UM CÃO ENVENENADO

Os cães são criaturas curiosas e gostam de investigar, o que os leva a muitos envenenamentos acidentais a cada ano. Normalmente, o cachorro encontra uma lata ou garrafa de algum produto químico aberta e, acidentalmente, ou de propósito, derrama o produto. O produto vai entrar em contato com seu pelo e suas patas e ao lamber para limpar essas áreas ele vai engolir a substância potencialmente tóxica. É sua responsabilidade como proprietário de um animal de estimação manter qualquer produto que possa ser tóxico fechado e longe do alcance do animal.
Alguns sinais de possível envenenamento incluem baba excessiva, vômitos, diarréia, dor abdominal, tremores, nervosismo, convulsões, coma e odor característico do produto químico no corpo. Veja o que você pode fazer se o seu cachorro estiver intoxicado.

Se o cão estiver comatoso ou convulsivando, enrole-o em um cobertor e leve-o imediatamente a um veterinário junto com a embalagem do produto, planta ou folha suspeito de ser a causa do envenenamento.

Se o cão estiver com um odor de produto químico na pele, lave o corpo inteiro com água e sabão neutro até o cheiro sumir. Se o veneno foi lambido ou ingerido, enxágue a boca do cachorro com água limpa para ajudar na desintoxicação.

Se o cachorro não vomitou ainda e o veneno não é um produto cáustico ou derivado de petróleo (veja a lista abaixo) induza o vômito dando uma colher de sopa de água oxigenada 3% para cada 10 kg de peso de 10 em 10 min até o vômito começar. Se o cachorro não vomitar dentro de 1/2 hora, leve-o imediatamente ao veterinário com a embalagem do suposto veneno.

Produtos cáusticos incluem ácido de bateria, removedores de calosidades, detergentes de louça, desentupidores de ralos, removedores de gordura, desinfetantes e limpadores de forno. Produtos derivados de petróleo incluem solventes de tintas, cera para chão e solução de limpeza a seco.

Você vai ficar surpreso com o número de produtos domésticos que são tóxicos para o seu cachorro. Alguns dos mais comuns são bebidas alcoólicas, amônia, líquido anticongelante, água sanitária, chocolate, detergentes, desinfetantes, solução de limpeza a seco, fertilizante, lustra-móveis, gasolina, cola, uvas e passas, medicamentos humanos, bolas de naftalina, veneno de rato e camundongo, cebolas, limpadores de forno, diluentes e removedores de tinta, graxa de sapatos, lustrador de prata e desinfetante de vaso sanitário.

Além disso, algumas plantas que temos em casa também são tóxicas para o seu animal de estimação, incluindo a babosa, açucena, narciso, abacate, azaléia, ave do paraíso, copo de leite, mamona, milho, ciclâmen, lírio amarelo, lírio branco, comigo-ninguém-pode, orelha de elefante, hera, íris, azevinho, jacinto, hortênsia, kalanchoe, macadâmia, visco, cebola, filodendro, rododendro, tomate, tulipa, teixo e iúca.

COMO TRATAR UM CÃO PICADO OU AFERROADO POR UM INSETO

A maioria das picadas de insetos são inofensivas para os cães, mas se a picada for de uma abelha ou de algum tipo de vespa, a área vai ficar inchada e dolorida. Uma possível reação alérgica ao veneno depositado pelo inseto é o problema mais grave que pode acontecer.

Os sinais de uma picada de inseto são inchaço, dor nos músculos e área afetada, vômitos, fraqueza, febre e choque. Os sinais de choque são gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco acelerado e respiração rápida. Abaixo veremos algumas sugestões úteis do que fazer se seu animal de estimação for picado ou aferroado por um inseto.

Picado por um inseto

Contenha o cão, se necessário.
Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador. Faça uma focinheira no cachorro para sua proteção, se necessário.

NÃO aperte a área. Se o cachorro foi aferroado por uma abelha, raspe a região com uma faca sem fio para retirar o ferrão imediatamente. Outros insetos não deixam o ferrão na pele.

Se a área afetada estiver quente e inchada, aplique um creme de cortisona e segure uma bolsa de gelo sobre a pele do cachorro por um período curto de tempo. Dê um anti-histamínico.

Se houver qualquer dificuldade respiratória ou se o rosto parecer inchado, leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

COMO TRATAR UM CÃO COM HIPORTEMIA

A exposição à água fria ou temperaturas muito baixas podem causar a hipotermia ou temperatura corporal sub-normal. A sobrevivência do cachorro vai depender de até quanto sua temperatura cai. A temperatura corporal normal de um cachorro é 38ºC. Se cair abaixo de 32ºC por qualquer período de tempo, as funções normais do corpo vão ser prejudicadas.
Sinais de hipotermia incluem depressão, corpo com temperatura abaixo do normal e coma. Essa condição sempre pede a atenção de um veterinário o mais rápido possível. Use as dicas a seguir para ajudar a tratar apropriadamente um cão com hipotermia. Aqueça o cão.

Coloque uma garrafa de água quente (37ºC) sobre o abdômen do cachorro. Enrole a garrafa em um pano para evitar queimaduras. Enrole o cachorro em um cobertor ou em um casaco. Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

COMO TRATAR UM CÃO COM OS OLHOS MACHUCADOS

Irritação nos olhos de um cachorro pode ser causada por alergias, poeira e sujeira, cílios nascendo para dentro, brigas, entre outros problemas. Isso pode resultar em uma inflamação moderada do tecido ao redor dos olhos (conjuntivite) ou em danos graves na córnea.
Ao examinar o olho de um cachorro é importante saber que os cães têm uma terceira pálpebra localizada no canto do olho mais próximo ao nariz. Essa terceira pálpebra pode cobrir completamente o globo ocular e às vezes dá a impressão de que aquela parte do olho não está ali.
Além de ser um mecanismo de proteção, a terceira pálpebra pode indicar que algo está errado no olho. Se for levantada e parecer vermelha, o olho está inflamado. Não tente tocar ou manipular esta pálpebra.
Outras indicações de que o cachorro está com os olhos irritados são olhos semi-cerrados, coçar com as patas ou tentar esfregar os olhos. Sua primeira prioridade é evitar que o cachorro se machuque mais ainda, pois isso pode agravar o problema ocular. Use as dicas a seguir para tratar ferimentos nos olhos de um cachorro.

Corpo estranho no olho

Imoblizador de cães

NÃO tente remover o objeto.
Contenha o cão, se necessário.

Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador.
Evite que o cachorro machuque mais os olhos.

O quinto dedo (se presente) deve ser protegido com uma bandagem na pata dianteira do lado do olho machucado. Para cães pequenos, corte um pedaço grande de papelão para fazer um colar elizabetano.

Pata enfaixada

Para cães maiores, corte o fundo de um balde plástico, coloque na cabeça do cachorro e prenda na coleira.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

Olho irritado ou arranhado

Um sinal típico de olho irritado ou arranhado é ficar com o olho semi-cerrado, tentar coçar com as patas, corrimento grosso escorrendo dos olhos ou olhos vermelhos.

Colar Elizabetano

Contenha o cão, se necessário. Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador. Lave bem o olho afetado com soro fisiológico ou água limpa.
Previna para que o cachorro não se machuque mais tentando coçar o olho.

O quinto dedo (se presente) deve ser protegido com uma bandagem na pata dianteira do lado do olho machucado.

Para cães pequenos, corte um pedaço grande de papelão para fazer um colar elizabetano.
Para cães maiores, corte o fundo de um balde plástico, coloque na cabeça do cachorro e prenda na coleira.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

COMO AJUDAR UM CÃO QUE LEVOU UM CHOQUE ELÉTRICO

Cães adultos raramente são vítimas de choques elétricos. No entanto, filhotes são naturalmente curiosos e roem praticamente tudo, inclusive fios elétricos. Se o isolamento estiver perfurado e a boca entrar em contato com os dois fios de arame, o cachorro vai levar um choque e pode não conseguir soltar o fio.
A eletrocução pode causar lesões cardíacas graves e acúmulo de líquido nos pulmões. Choques muito fortes podem parar o coração e a ressuscitação cardiopulmonar deverá ser feita imediatamente para fazer o coração voltar a bater. Além disso, a boca do cachorro provavelmente vai estar queimada por causa do contato com os fios desencapados. Verifique sinais de choque, que incluem gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco acelerado e respiração rápida.
Para cuidar adequadamente de um cachorro que levou um choque elétrico, use as seguintes dicas:

Cão que levou choque elétrico

Se o cachorro ainda está com o fio elétrico na boca NÃO o toque. Antes retire o plugue da tomada.
Se o cão estiver inconsciente, verifique a respiração.
Se o cão não estiver respirando, sinta seu batimento cardíaco colocando seus dedos 5 cm atrás do cotovelo no meio do peito.
Se o coração estiver batendo, respiração artificial.
Deite o cachorro de lado e estique sua cabeça e pescoço.

Ressuscitação pós choque

Mantenha a boca e lábios fechados e assopre com força pelas narinas. Faça uma respiração a cada 3 a 5 s. Respire fundo e repita até sentir resistência ou ver o peito subir.

Após 10 s pare. Observe o peito para ver se está se movendo, o que indica que o cachorro está respirando sozinho.

Se o cachorro não estiver respirando, continue a respiração artificial. Se o coração não estiver batendo faça uma ressuscitação cardiopulmonar.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com até 20 kg

Ressuscitação Cardiopulmonar

Deite o cachorro de costas. Ajoelhe-se perto da cabeça do cão.
Feche suas mãos sobre o peito do cachorro com as palmas sobre cada lado do peito.

Comprima as palmas sobre o peito com firmeza contando até dois e solte contando um. Pressione moderadamente. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min. Como regra geral, faça cinco compressões cardíacas entre cada respiração.

Pare após um minuto. Observe se há movimento do peito e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 5 cm do cotovelo no meio do peito.
Se o coração não estiver batendo continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com mais de 20 kg

 

Ilustração de cão inconsciente

Deite o cachorro de lado. Coloque a palma da sua mão no meio do peito do cachorro.

Comprima contando até dois e solte contando um. É preciso pressionar com firmeza. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min.

Pare após um minuto. Observe o peito para ver se o cachorro está respirando e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos 5 cm atrás do cotovelo, no meio do peito.

Se o coração não estiver batendo, continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário. A ressuscitação e a respiração devem continuar no caminho ou até o cachorro começar a respirar e o coração começar a bater sem assistência. Se a boca ou lábios do cão estiverem queimados (vermelho vivo), passe suavemente água oxigenada 3%.

Para manter a temperatura corporal, enrole o cão em um cobertor ou casaco.

COMO SALVAR UM CÃO AFOGADO

Os cães são naturalmente bons nadadores para distâncias curtas, mas podem ter problemas. Pode acontecer dele nadar muito longe e ficar cansado tentando nadar de volta ou ele pode cair em uma piscina e não conseguir sair.
Sempre se proteja ao tentar salvar um cachorro se afogando. Alguns minutos de preparação podem salvar duas vidas, a sua e a do cachorro. Não esqueça de procurar sinais de choque, que incluem gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco rápido e respiração acelerada. Use as dicas a seguir para salvar um cão que esteja se afogando.

Salvando um cão afogando

Resgate o cão, segurando uma corda, jogue uma bóia na direção do cachorro, tente puxar o cachorro pela coleira usando uma vara ou vá até o cachorro, em um barco.
Em último caso, nade até o cachorro sem esquecer de se proteger. Leve alguma coisa onde o cachorro possa ser preso ou possa subir para ser puxado para terra firme.

Retire a água dos pulmões do cachorro.
Se você puder erguer o cachorro, segure suas pernas traseiras e mantenha-o de cabeça para baixo por 15 a 20 s. Dê 3 ou 4 sacudidas p

ara baixo para ajudar a drenar a água dos pulmões.
Se você não puder erguer o cachorro, coloque-o em uma superfície inclinada com a cabeça para baixo para facilitar a saída da água.

 

Salvando um cachorro afogado

Se o cachorro não estiver respirando, sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 5 cm do cotovelo no meio do peito. Se o coração estiver batendo, faça respiração artificial. Deite o cachorro de lado. Estique a cabeça e o pescoço do cão. Mantenha a boca e lábios fechados e assopre com força pelas narinas. Faça uma respiração a cada 3 a 5 s. Respire fundo e repita até sentir resistência ou ver o peito subir. Após 10 s pare e observe o peito para ver se está se movendo, o que indica que o cachorro está respirando sozinho. Se o cachorro não estiver respirando, continue a respiração artificial. Se o coração não estiver batendo, faça respiração artificial.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com até 20 kg

Ilustração Cão Inconsciente

Deite o cachorro de costas.
Ajoelhe-se perto da cabeça do cão.
Feche suas mãos sobre o peito do cachorro com as palmas sobre cada lado do peito.
Comprima as palmas sobre o peito com firmeza contando até dois e solte contando um. Pressione moderadamente. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro fechados e assopre com força nas narinas. Assopre por 3s, respire fundo e repita até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min. Como regra geral, faça cinco compressões cardíacas para cada respiração.

Pare após um minuto. Observe se há movimento do peito e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 5 cm do cotovelo no meio do peito.

Se o coração não estiver batendo continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com mais de 20 kg

Ilustração de cão inconsciente

Deite o cachorro de lado.
Coloque a palma da sua mão no meio do peito do cachorro.
Comprima contando até dois e solte contando um. É preciso pressionar com firmeza. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro fechados e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min.

Pare após um minuto. Observe o peito para ver se o cachorro está respirando e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos 5 cm atrás do cotovelo, no meio do peito. Se o coração não estiver batendo, continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário. A ressuscitação e a respiração devem continuar no caminho ou até o cachorro começar a respirar e o coração começar a bater sem assistência.

COMO TRATAR UM CÃO COM DIARRÉIA

A diarréia é um problema comum que acontece porque o alimento passou muito rapidamente pelos intestinos. Pode ser causada por alergias, leite, parasitas, comida estragada ou infecção bacteriana. Existem causas mais graves, como: tumores, infecções virais e doenças do fígado, pâncreas e rins.
Procure ajuda profissional se seu cachorro mostrar sangue, depressão profunda ou dor abdominal. De qualquer maneira, use as sugestões a seguir para aliviar o desconforto do seu cachorro.
Remova toda a comida por 12 a 24 h. A água é importante para prevenir desidratação na diarréia grave. Não deve ser removida.
Se houver sangue ou se a diarréia continuar por mais que 24 h, contate um veterinário. Ele provavelmente pedirá um exame de fezes.
Após pelo menos 12 h, trate o cachorro com uma dieta leve como arroz com peito de frango sem pele (mistura 1/2 a 1/2). Quando as fezes começarem a tomar forma, gradativamente volte a dieta normal. Converse com seu veterinário sobre a dose correta para o tamanho do seu cachorro.

COMO TRATAR UM CÃO EM CONVULSÃO

Uma convulsão ou ataque epiléptico é o resultado da descarga elétrica do cérebro para os músculos do corpo. Raramente uma convulsão é fatal e a maioria dura apenas alguns minutos. Um ataque epiléptico é normalmente seguido de um período de 15min a 1/2h de tempo de recuperação, durante o qual o cachorro pode ficar tonto e confuso.
Nem todas as convulsões são causadas por epilepsia. Algumas são causadas por chumbo ou outros venenos, doenças hepáticas ou até mesmo tumores no cérebro. As convulsões nunca devem ser ignoradas. O problema deve ser discutido com o veterinário o mais rápido possível.
A coisa mais importante a ser feita se seu cachorro estiver em convulsão é protegê-lo de se ferir sozinho. Seja paciente, não entre em pânico e use as dicas a seguir para prestar o socorro devido.

Convulsão

NÃO coloque os dedos ou qualquer objeto na boca do cachorro.
Puxe o cachorro para longe das paredes e móveis para evitar acidentes.
Enrole o cachorro em um cobertor para ajudar a protegê-lo.
Quando a convulsão parar, chame o veterinário para saber como proceder.
Se a convulsão não parar dentro de 10min ou se uma convulsão acabar e começar outra no período de 1h, leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

COMO TRATAR UM CÃO ENGASGADO

Está se afogando com um corpo estranho, precisa de ajuda imediatamente. Quanto mais ele tenta respirar, mais entra em pânico. Seu objetivo nesta situação de emergência é liberar as vias aéreas sem ser mordido.

Os sinais de que o cachorro está engasgado incluem tentar limpar a boca com as patas, língua pálida ou azulada, agonia evidente ou inconsciência. Se o cachorro estiver inconsciente e você acha que há um corpo estranho, libere as vias aéreas antes de fazer ressuscitação cardiopulmonar. Se o cachorro não consegue respirar não adianta tentar a ressuscitação.

Embora possa parecer difícil, você pode ajudar um cachorro engasgado ou inconsciente seguindo as dicas básicas abaixo. Seu esforço pode salvar a vida de um cachorro.

De ponta cabeça

Contenha o cão, se necessário. Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador. Desobstrua as vias aéreas. Abra a boca do cachorro cuidadosamente, segurando a mandíbula superior com uma mão sobre o focinho.

Pressione os lábios do cão sobre os dentes superiores apertando com seu polegar em um lado e os outros dedos no outro, de maneira que os lábios do cachorro fiquem entre seus dentes e os dedos. Aperte com firmeza para forçar a boca a ficar aberta.

Se você consegue ver o objeto, tente removê-lo com seus dedos. Se não conseguir remover o objeto e o cachorro for pequeno o suficiente, segure ele pelas pernas traseiras, vire-o de cabeça para baixo e chacoalhe vigorosamente. Bater nas costas também pode ajudar a mover o objeto.
Se você não consegue remover o objeto e o cachorro é grande demais para ser erguido, coloque-o deitado de lado no chão.

Coloque a sua mão atrás da caixa torácica e aperte para baixo e um pouco para frente, com firmeza. Solte. Repita rapidamente várias vezes até o objeto ser expelido.

Se não conseguir retirar o objeto, leve o cachorro imediatamente ao veterinário.
Se retirar o objeto e o cachorro ainda não estiver respirando, sinta sua pulsação colocando seus dedos 5 cm atrás do cotovelo do cachorro no meio do peito.

Faça respiração artificial. Deite o cachorro de lado; estique a cabeça e o pescoço do cão. Mantenha a boca e lábios fechados e assopre com força pelas narinas. Faça uma respiração de 3 a 5 s. Respire fundo e repita até sentir resistência ou ver o peito subir. Após 10 s pare. Observe o peito para ver se está se movendo, o que indica que o cachorro está respirando sozinho. Se o cachorro não estiver respirando, continue a respiração artificial. Se o coração não estiver batendo faça uma ressuscitação cardiopulmonar.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães de até 20 kg

Respiração artificial

Deite o cachorro de costas. Ajoelhe-se perto da cabeça do cão.
Feche suas mãos sobre o peito do cachorro com as palmas sobre cada lado do peito.

Comprima as palmas sobre o peito com firmeza contando até dois e solte contando um. Pressione moderadamente. Repita aproximadamente 60 a 90/min.
Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro fechados e assopre com força nas narinas. Assopre por 3 s, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min. Como regra geral, faça cinco compressões cardíacas para cada respiração.

Pare após um minuto. Observe se há movimento do peito e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos a 5 cm do cotovelo no meio do peito. Se o coração não estiver batendo continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Ressuscitação cardiopulmonar para cães com mais de 20 kg

Ressuscitação Cardiopulmonar

Deite o cachorro de lado. Coloque a palma da sua mão no meio do peito do cachorro.

Comprima contando até dois e solte contando um. É preciso pressionar com firmeza. Repita aproximadamente 60 a 90/min.

Alternativamente (após 30 s), segure a boca e lábios do cachorro fechados e assopre com força nas narinas. Assopre por três segundos, respire fundo e repita, até sentir resistência ou ver o peito do cachorro subir. Tente repetir 10 a 20/min.

Pare após um minuto. Observe o peito para ver se o cachorro está respirando e sinta o batimento cardíaco colocando os dedos meio centímetro atrás do cotovelo, no meio do peito.
Se o coração não estiver batendo, continue a ressuscitação cardiopulmonar.

Leve o cachorro imediatamente ao veterinário. A ressuscitação e a respiração devem continuar no caminho ou até o cachorro começar a respirar e o coração começar a bater sem assistência.

COMO TRATAR UM CÃO QUEIMADO

Os cachorros adoram ficar aos pés dos donos quando estes estão cozinhando. Pode ser muito bonito, mas também pode ser muito perigoso para o cachorro quando se está usando água fervente ou óleo quente na cozinha.

O cachorro pode ter queimaduras de primeiro, segundo ou terceiro graus causadas por fogo, calor, líquidos ferventes, produtos químicos e eletricidade. Todas são dolorosas e podem causar danos e até a morte. Queimaduras superficiais, doloridas e avermelhadas normalmente não são graves. Porém, os primeiros socorros devem ser prestados o mais rápido possível para aliviar a dor.

As dicas a seguir vão ajudar a identificar o tipo de queimadura com a qual você está lidando e também como tratar os ferimentos.

Queimaduras de primeiro ou segundo grau

Os sinais de uma queimadura de primeiro grau incluem pelos queimados ou intactos, lesões dolorosas e pele vermelha com a possibilidade de formação de bolhas. Os sinais de queimaduras de segundo grau são pelos queimados ou lesões dolorosas que ficam amarronzadas, com inchaço e bolhas. Se você perceber qualquer um desses sinais, faça o seguinte:

Tratando queimaduras

Contenha o cão, se necessário.
Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador. Aplique água fria ou bolsas de gelo no local deixando em contato com a área afetada por 15 min. NÃO use pomadas ou óleo.

Se a queimadura cobrir uma grande parte do corpo do cachorro ou estiver onde ele possa lamber, cubra o local com uma compressa estéril. NÃO use algodão.

Enrole pedaços de pano ou outro material macio ao redor da compressa e amarre ou cole com esparadrapo somente para manter a compressa no lugar. Leve o cachorro a um veterinário o mais rápido possível.

Queimaduras de terceiro grau

Os sinais de uma queimadura de terceiro grau incluem destruição de uma área de pele, lesões brancas ou pretas e pelo que sai com facilidade. Também observe sinais de choque, que incluem gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco e respiração rápida. Se você vir algum desses sinais, faça o seguinte:

Contenha o cão, se necessário.
Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador. Veja se o cachorro está em choque.

Examine as gengivas erguendo o lábio superior com cuidado. Gengivas pálidas ou brancas indicam grande possibilidade de choque. Se as gengivas estiverem rosadas o cachorro não está em choque.

Determine o batimento cardíaco. Coloque seus dedos com firmeza sobre o cão aproximadamente 5 cm atrás do cotovelo no centro do peito. Conte o número de batidas em 10 s e multiplique por 6. Se o cachorro estiver em choque, seu batimento deve ser de mais de 150 batidas por minuto.

Coloque o cachorro de lado com a cabeça estendida. Puxe a língua do cachorro com cuidado para manter a entrada de ar livre.
Eleve um pouco a parte traseira do cachorro, usando um travesseiro ou toalhas dobradas. Para conservar a temperatura corporal, enrole o cachorro em um cobertor ou casaco.

NÃO use pomadas ou óleos. Coloque uma compressa limpa e seca sobre a área queimada. NÃO use algodão.
Enrole pedaços de pano ou outro material macio ao redor do curativo e amarre ou cole com esparadrapo, pressionando apenas o suficiente para segurar a bandagem no lugar.

Leve o cachorro a um veterinário o mais rápido possível.

Queimaduras químicas

Os sinais de queimaduras químicas incluem um cheiro característico como de terebentina, gasolina ou inseticida; pele avermelhada ou dor. Se você perceber esses sinais, faça o seguinte:

Tratando queimaduras químicas

Contenha o cão, se necessário;
Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador.
Lave a área completamente com água e sabão, repetindo quantas vezes for necessário para remover o produto químico. Use sabão suave e ensaboe bem. NÃO use qualquer tipo de solvente. Fale com o veterinário para maiores instruções.

COMO CUIDAR DE UM CÃO COM UMA PERNA QUEBRADA

É importante lembrar que os cães têm alta tolerância a dor e que uma perna fraturada parece não incomodar. Então, não tenha medo de mexer em um membro fraturado,  mas tenha cuidado. O cachorro vai demonstrar se estiver doendo.
Alguns sinais comuns: uma perna que parece deformada, pendurada, que não suporta o peso do corpo e que está inchada. Também procure por sinais de choque, como: gengivas pálidas ou brancas, batimento cardíaco rápido e respiração acelerada.

Para cuidar apropriadamente de um cachorro com um osso quebrado, contenha o cão se necessário.

Cão com a perna fraturada

Aproxime-se do cachorro lentamente, falando em um tom de voz tranqüilizador.
Passe uma guia pelo pescoço do cachorro e então em volta de um objeto fixo. Puxe o cão contra este objeto e amarre a guia de maneira que o cachorro não consiga mover a cabeça.
Faça uma focinheira para sua maior proteção.

Examine a perna e determine que a fratura é exposta (ferimento perto da área quebrada ou osso saindo da pele) ou fechada (sem lesão na pele). Se a fratura for fechada, siga ao passo 4. Se houver fratura exposta, lave bem o ferimento com água limpa.

Cuidando do ferimento

Cubra o ferimento com um curativo estéril ou pano limpo.
NÃO tente fazer uma tala. Segure uma toalha grande dobrada sobre o membro não fraturado e leve o cachorro imediatamente ao veterinário.
Se o menbro fraturado estiver muito deformado ou se o cachorro demonstrar muita dor quando você tenta fazer uma tala, pare de tentar. Mas se for possível, faça a tala.
Use qualquer material disponível para a tala: varetas, jornais, revistas ou papelão. O objeto é para imobilizar, não para reduzir a fratura.

Tala

Prenda a tala ao membro fraturado com tiras de tecido ou gaze.
Cole ou amarre as tiras com firmeza, mas sem apertar muito para não impedir a circulação de sangue.
Leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

Se o membro fraturado estiver muito deformado ou se o cachorro demonstrar muita dor quando você tenta fazer a tala, segure uma toalha grande dobrada sobre o membro não fraturado e leve o cachorro imediatamente ao veterinário.

COMO TRATAR UM CÃO COM DILATAÇÃO GÁSTRICA

É difícil aceitar que um cão aparentemente saudável dentro de uma hora esteja lutando por sua própria vida. A dilatação gástrica é uma condição extremamente séria e potencialmente fatal. O tratamento profissional é urgente e não deve ser atrasado.

Dilatação Gástrica

A dilatação gástrica parece afetar mais as raças de cachorro grandes e com peito profundo do que as outras. Os sinais aparecem rapidamente e são inconfundíveis, eles incluem baba excessiva, marcha e agitação, abdômen aumentado e tentativas freqüentes de vômito, que produzem uma grande quantidade de espuma branca.
Não existe uma explicação científica satisfatória da causa da dilatação gástrica. Basicamente, o estômago enche de gás como um balão. Entretanto, no balão há espaço para expansão, no estômago não. Então, o gás pressiona o baço, o fígado e outros órgãos internos.
Se você suspeita que seu cão está com o estômago dilatado, leve-o imediatamente ao veterinário. A dilatação gástrica é normalmente seguida de uma torção (o estômago torce), que leva ao choque e morte dentro de poucas horas.
Para prevenir a dilatação e a torção, alimente seu cão com pequenas porções várias vezes ao dia ao invés de apenas uma porção grande, evitar exercícios físicos após as refeições também é importante.